Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Ainda aí? Alguém vai ler?

Não sei o que é mais sinistro: Meu blog ainda estar no ar, ou se é eu ter lembrado a senha!

Enfim, tudo que sei é que nada sei, mas ainda sei a senha, então decidi escrever.

Bem...

EU TENHO PRECONCEITOS! E você também os tem, admita. Todos nós temos nossos próprios preconceitos e pré-conceitos. TODOS! Sem excessão. Pois somos seres sociais. Nascemos e crescemos em um meio onde o machismo, o conceito cristão, a supremacia branca, o nível social, o padrão cis-hétero-normativo (etc.) imperam. Preconceitos são jogados no nosso cérebro a cada momento. Criam raízes na nossa mente. Agem de forma inconsciente. A diferença é que EU estou disposta a admitir meus preconceitos e a lutar contra eles.
Se você está em uma rua quase deserta as 10 horas da noite e na mesma calçada que você tem um garoto negro, e do outro lado da rua tem um garoto branco, você instintivamente atravessa, pois seu cérebro se adaptou ao conceito de que é mais fácil ser assaltado ou morto por um negro do que por um branco. Basta ligar os telejornais e ver as fotos dos "assaltantes", "ladrões", etc. Todos negros, ou quase negros ("ou quase brancos quase negros de tão pobre", como já diria Caetano e Gil). Você cria no seu inconsiente a idéia de que o negro é perigoso.
O mesmo com relação à mulheres. Uma mulher que fica em casa cuidando dos filhos para que seu marido trabalhe não é taxada de "vagabunda" ou "aproveitadora". Um casal onde o marido não trabalha para cuidar dos filhos e a esposa é quem paga as contas é visto com maus olhos. O homem é taxado de "vagabundo" ou "aproveitador". O machismo nosso de cada dia culpa a vítima do estupro por sair sozinha, sair tarde da noite, ou usar roupas provocadoras. O culpado nunca é o estuprador.
Com relação aos homossexuais, o preconceito não fica atrás. Se um homossexual ou transexual é discriminado no trabalho, a culpa não é de quem discriminou. É do homo ou transexual que "esfrega sua condição na cara dos outros impondo que deve ser aceito". Mas é claro que as pessoas devem se impor. Claro que as pessoas devem lutar por aceitação. Um homem pode apresentar a namorada no trabalho que nunca será taxado de "jogar a sua orientação sexual na cara dos colegas de trabalho". Se um homossexual leva x namoradx para uma festa da empresa, é acusado de "se expor sem necessidade".
Até quando vamos aceitar o preconceito que nos jogam goela abaixo?
Um bando de playboyzinhos, há mais de 10 anos atrás colocaram fogo em um índio pataxó em um ponto de ônibus. Foi uma "brincadeira". E ninguém foi preso.
Outro bando de playboyzinhos espancaram um suspeito de furto lá no RJ. O amarraram, espancaram. Quero ver se vão responder legalmente por seus atos.

Quando é um negro que reage contra o racismo, ou um homossexual que reage contra a homofobia ninguém aplaude. Dizem: "Olha aí, como os da espécie dele não são civilizados". A Rachel Shehezade não faz um comentário épico dizendo "como ele foi corajoso em reagir e se defender".

Estamos presos. TODOS nós, mesmo o homem-branco-cis-hétero-cristão-classe-média-alta está preso. Está pagando.

É tudo um efeito "bola de neve". Somos TODOS vítimas do sistema. E somos TODOS cúmplices dele.

"Travesti é tudo puta" - mas ninguém dá um emprego dígno para elas!
"Gay é tudo promíscuo" - aposto que você não conhece muitos gays. Os héteros não ficam para trás... a proporção é a MESMA.
"Mulheres odeiam umas às outras" - tenho amigas mulheres, as amo, coloco a mão no fogo por todas elas!
"Nordestino é burro e preguiçoso" - Pasme, São Paulo foi construída por nordestinos e algumas das melhores Universidades do Brasil ficam no nordeste.
"Negro é tudo ladrão" - Talvez a taxa de assaltantes negros e pardos seja maior que a de assaltantes brancos porque a maior parte da população brasileira seja dessa cor. E tem mais: Entrevista de trabalho: entre um negro e um branco, sempre irão preferir o branco, mesmo que ambos sejam qualificados. Desde o final da escravidão até hoje, poucas propostas de inclusão da população negra em cursos superiores e melhores condições de trabalho foram sugeridas.

A branca empresária foi assaltada. Por um rapaz negro. Culpa-se o rapaz negro, mas a branca também é culpada, se não MAIS ainda. Essa mesma branca, empresária, é a que só contrata funcionários de "boa aparência". Nada de negros ou negras. A não ser morenos claros desde que prendam o "cabelo ruim". O negro desempregado. O negro no sub-emprego. O pobre sem cor na favela. O pobre sentindo a discriminação. A frustração. De ver as pessoas das "zonas sul" vivendo bem. Discriminando os "emergentes" que andam de avião. Que são contra a democratização dos transportes aéreos (pobre só pode viajar de ônibus, ninguém merece um pobre de rodoviária do seu lado na poltrona do avião, né?). A insegurança, a discriminação, a falta de bons empregos. Uma hora a população pobre se revolta. Não tem nada à perder. Se arrisca. Furta um aqui, assalta outro acolá.

Eu sei que tem muita gente na marginalidade por que quer.
Mas e aqueles que não optaram por isso? Que furtaram um litro de leite para alimentar o irmão caçula? Esses são os que merecem apanhar?
E aqueles que roubam o SEU dinheiro? O MEU dinheiro todos os dias? Aqueles que fazem propaganda contra as drogas. Se fazem de reacionários proibindo o uso de entorpecentes e vendem drogas por debaixo do pano. E sem pagar impostos. Claro que esses políticos são contra a discriminação e legalização das drogas. Se legalizar eles terão que pagar impostos.

Todos nós agimos muitas vezes sem pensar.

Ninguém pensa que o que negamos hoje pode volta para nós. Que a transexual que negamos emprego pode passar uma doença para nossos pais, irmãos, tios, filhos. Sem contar na saúde dela mesma, que, sem opção, teve que se prostituir.
Ninguém pensa que ao negarmos um emprego ao morador de rua, ao pobre, ao negro, nós estamos contribuindo com a marginalidade.
Ninguém pensa que ao discriminarmos o passageiro do nosso lado do avião, estamos discriminando nosso futuro cunhado, genro... nosso irmão.
Ninguém pensa no efeito a longo prazo de seus atos.
NINGUÉM!

A onda é julgar os outros. É fazer apologia à linchamentos.

Só não se esqueçam que amanhã, você pode ser confundido com um "marginal".
Um dia você pode ser assaltado, seu carro pode morrer no meio do caminho, você pode ser obrigado a andar a pé na chuva, ter roupas detonadas, e ser linchado confundido com um morador de rua.
Um dia você pode abraçar seu irmão na rua e ser linchado e apedrejado por ser confundido com um homossexual.
O que você faz sempre volta para você!
Se hoje você me atira uma pedra. Amanhã, alguém, como vc, lhe atirará outra.

Vamos continuar uns julgando os outros? Vamos continuar nos atirando pedras uns nos outros enquanto os donos desse país fazem a festa com o nosso dinheiro?

Enquanto perdemos tempo ofendendo e agredindo gays, enquanto nos preocupamos em agredir e matar uns aos outros, os donos do mundo estão aí, nos assistindo, nos aplaudindo e rindo na nossa cara de otários. Enquanto estamos distraídos comprando briga entre nós mesmos, eles tomam nosso dinheiro... e compram mais concessões à rádios e televisões. E se candidatam de novo aos mesmos cargos. E nós? Seremos cegos e aceitaremos isso tudo até quando?
Já parou pra pensar nisso?
Pois eu penso... todos os dias. E estou disposta a mudar. Só posso começar por mim mesma. Mas sou uma só. Se cada um fizer a sua parte, o país vai mudar. É fácil botar a culpa no outro, no gay, no negro, no assaltante, nos nossos governantes. Mas o que estamos fazendo para mudar realmente esse país?

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Rafinha Bastos é afastado e ainda faz piada vulgar!


Como quem diz: "Mulher é tudo objeto mesmo", Rafinha pousou ontem ao lado de modelos semi-nuas, com o programa CQC ao vivo como plano de fundo.

Como quem satiriza "Não estou nem aí se as mulheres inteligentes se ofenderam, eu tenho mulheres acéfalas do meu lado".

O machismo mata.

Tratar as mulheres com vulgaridade mata!

E um garoto mimado desses ainda faz piada de mal gosto até mesmo quando é punido pelas piadas de mal gosto anteriores.

Crianças mimadas, enquanto não forem punidas, não amadurecerão.

Suspender o menino mimado de sua audiência só o faz fazer bico e birra e piorar a situação. Apesar de imaturo, ele já tem idade suficiente para responder por seu "humor" racista, homofóbico, sexista e inconseqüente.

Se qualquer um na rua faz comentários nesse nível, logo pode ser processado.

O Marcelo Tas ameaçou a Lola (Escreva, Lola, Escreva) de um processo. Só por ela ter dito que o CQC era misógeno.

Quando eles fazem piadas sobre as minorias, aí sim, pode!
Quando alguém critica o programa deles, aí não pode!

Eles pedem Liberdade de Expressão para ofender as pessoas.
Mas pedem censura àqueles que questionam o nível do programa.

Quando você tenta tirar a minha liberdade de expressão, você está tirando a sua própria.

O mais engraçado nessa história é que o Marcos Luque ainda tentou corrigir o erro bizarro do Rafinha, lendo um pedido de desculpas... para a Wanessa? NÃO!!! Mulheres não são seres humanos que se sentem ofendidos... as desculpas foram para o marido dela... o que deixa nas entrelinhas que, mulher é só um objeto que não tem sentimento, e, se acaso você ofender alguma, peça desculpas ao seu dono!!!!

Até quando seremos obrigadas a aturar isso?

Quantos Marcos Luques e Rafinhas Bastos existem por aí?

Olhem no Twitter quantas pessoas apoiam esse tipo de discriminação à mulheres. Procurem nos jornais online quantas mulheres são vítimas de homens que pensam assim.

O machismo mata... até mesmo disfarçado de piada...

segunda-feira, 9 de maio de 2011

O Machismo Mata.





"Deixem de ser politicamente corretos, foi só uma piada".


Não foi uma piada quando as muitas Marias foram estupradas.


"Que hipocrisia, o politicamente correto é uma maneira de falar o que todos pensam".


Claro, desde que não ofenda e nem incite violência.


Para as muitas mulheres nesse país que foram estupradas, a piada foi ofensiva. E para os muito estupradores, a piada serviu como um incentivo para continuares.


Penso, "e se fosse a mãe ou a esposa do Rafinha Bastos a ser estuprada, será que ele faria piada e apologia ao estupro?" - Eu acho que não.


É muito fácil para um homem, hétero, branco, magro, não-deficiente e de classe média alta fazer piada com mulheres, com homossexuais, com negros, com gordos, com deficientes e com a classe de renda mais baixa. Ele está no "topo" do considerado "politicamente correto". Então, oras, ele se vê no direito de fazer piada com o que não é ele próprio. O que não é "politicamente correto".


Aposto que o Rafinha Bastos nunca sofreu preconceito na vida dele.


Aposto que ele não sabe o que é sentir na pele ser discriminado. Ele não sabe o quanto isso DÓI.


O estupro é muito mais do que violência física. É violência física, sexual e tortura psicológica. É uma ferida que nunca cicatriza. É um trauma que leva muitas mulheres a tentarem o suicídio.


Esse é o pensamento de pessoas constantemente humilhadas e descriminadas: O suicídio.


Independente de "beleza", porque isso é subjetivo, o que você considera "mulher feia" é uma mulher como qualquer outra. Que tem uma vida inteira pela frente e que pode vir a sucumbir por um ato de violência como esse.


É muito fácil fazer piada da dor e do sofrimento dos outros.


Eu não achei (assim como muita gente também não achou) graça na piada. Não só porque incitar violência é crime, mas porque não é engraçado ser estuprado. Não é engraçado passar o resto da vida lembrando das feridas e pensando em suicídio. Não é engraçado o número de mulheres que se matam. Não é engraçado o sofrimento das que ainda vivem.


A cada 1 segundo uma mulher é estuprada no Brasil. Acha graça? Eu não! O número pode aumentar, se pessoas como você começarem a passar a mão na cabeça e agradecer estupradores. O dia que você, sua mãe, sua esposa ou sua filha passarem por uma situação dessas, aposto que você também não verá mais graça.


Estupro é crime.


A pessoa estuprada é VÍTIMA.


Mas se você não gosta do políticamente correto porque passou a vidinha inteira em uma redoma de vidro e não está acostumado a ser solidário com o sofrimento alheio, sinto muito. Você é mais doente e mais nocivo que o estuprador.


Se você tem a "liberdade de expressão" de fazer piada de coisa séria, eu também tenho liberdade de expressão de falar a sério sobre a sua piada.


#Desabafo


Comentários são abertos para quem quiser exercer sua liberdade de expressão e comentar. Nenhum comentário nesse blog é censurado.

sábado, 9 de abril de 2011

Cara de preocupação...


Olha minha cara de preocupação com o Bolsonaro e seu exército de Neonazistas de Zebu!

#Aloka!

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Amor Próprio!

NÃO!

Eu não vou deixar de ser homossexual só porque algumas pessoas não são.

NÃO!

Eu não vou pregar o ódio àqueles que pregam o ódio contra mim.

NÃO!

Eu não vou me igualar à pessoas cujo único objetivo na vida é ofender e julgar os outros.

Eu estou cansada demais para responder ao ódio com mais ódio.

ACABOU e eu não quero mais.

Quero começar vida nova.

Eu me amo. E não acho que o amor seja algo negativo na vida das pessoas.

Seja você um branco que ame uma negra.

Seja você um homem que ame outro homem.

O amor é lindo. E espero que seja o amor que vença no final.

Toda guerra tem baixas de ambos os lados, por isso não irei entrar na guerra. Não irei lutar e nem irei bater de frente contra ninguém.

Irei, a partir de agora, somente defender o direito de duas pessoas que se amam continuarem se amando e serem felizes do jeito que são.

Nem que para isso eu tenha que me expor.

Tenho 31 anos. Mulher. Homossexual.

Eu sempre soube que eu era homossexual. Quando eu tinha 13 anos, as meninas da 8a série achavam lindos alguns garotos que zombavam de mim por eu não conseguir achá-los bonitos.

Na época eu tinha vergonha de apontar as garotas bonitas e dizer à elas: "Olha, essas fazem meu tipo. Não é porque não me interesso por garotos que ainda sou criança. É que meu interesse é outro."

Mas eu nunca tive coragem para isso. Pelo menos não nessa época.

No colégio foi mais difícil ainda. Todas as minhas colegas tinham namorado. E eu não. Todas me cobravam um namorado, mas achei que seria uma hipocrisia eu mentir para mim e ir contra a minha natureza se eu arrumasse um namorado.

Sofri Bulling. No 3o ano do Colégio meu apelido era "Sapatão".

Eu mal podia usar o banheiro da escola que logo já diziam: "Meninas, cuidado com a Sapatão, ela entrou no banheiro de vocês". Então, eu me segurava até chegar em casa. Para que não achassem que eu entrava no banheiro de má fé.

Meus pais, meus colegas... as pessoas que eu conhecia, todas éram (ou se diziam) héteros. Eu não me enquadrava.

O que prova que a Orientação Sexual não pode ser mudada. Não pode ser influenciada. Com tanta influência hétero, por que eu era homossexual?

Nem eu sabia.

Mas eu venci essa fase. Assim como todos os jovens homossexuais irão vencer um dia.

Acho repulsivo qualquer pessoa pregar o ódio contra pessoas que já são tão odiadas.

Acho repulsivo pregar o ódio à quem já inicia a adolescência se culpando, se odiando, e ainda recebendo "alfinetadas" de outros alunos e professores.

Acho repulsivo alguém acabar com a sua auto-estima sem motivo algum.

Existem pessoas que se dizem religiosas e que pregam o ódio e a intolerância. E contra quem? Contra homossexuais? O que fazemos de tão errado? Amar?

Quer dizer que pessoas como o Deputado Bolsonaro acha bonito pregar ódio à pessoas que amam, só porque ele ama diferente?

Nós homossexuais não queremos ser melhor e nem pior que os héteros. Só somos diferentes. Assim como um negro é diferente de um branco, e nunca pior. Assim como os Muçulmanos não diferentes dos Judeus e nunca pior. O que tem de pior no ser humano não é o fato de ele ou ela amar diferente, ou ter cor de pele diferente, ou acreditar em coisas diferentes. O que tem de pior no ser humano é se agredir, é se odiar, é pregar o ódio aos seus semelhantes.

Não precisamos dividir o mundo entre homossexuais X heterossexuais.

Podemos conviver em paz, um respeitando o amor do outro. E todos nós respeitando o maior dos amores: O AMOR PRÓPRIO!

Por Cristina Dracco - São Paulo, 04 de abril de 2011.

quarta-feira, 30 de março de 2011

Petição para Cassação do Deputado Jair Bolsonaro

Petição para Cassação do Deputado Jair Bolsonaro.


"Estudo Comprova que homofobia é bissexualidade ou homossexualidade inrustida:


http://www.youtube.com/watch?v=Y9UeKYF6sno

Mas o caso é que, o Deputado ofende homossexuais há anos. Mas agora mexeu com uma população muito maior e muito mais unida. Os negros!

Pela milésima vez, eu, Cristina Dracco, pedindo a cassação do Deputado Bolsonaro, segue um trecho de outro blog abaixo.




"O que indica que o Deputado Jair Bolsonaro tem total desrespeito, por minorias étnicas, LGBTs, por nossas instituições e ainda parece acreditar estar acima das leis, da Constituição Federal e do povo, solicitamos providências urgentes e a cassação de seu mandato como Deputado Federal, pois entendemos que alguém que desrespeita as leis e faz apologia ao crime de racismo não pode ser um representante legal do povo brasileiro."



"Solicitamos a todos que foram ofendidos pelo Deputado que mandem protestos a Comissão de Direitos Humanos da Câmara pedindo apuração e punição com urgência através do e-mail: cdh@camara.gov.br
A impunidade neste caso será mais um exemplo que vai gerar descrédito por parte de nossa população à nossas leis, Instituições e ao Poder Legislativo e entendemos que não há democracia forte com instituições e leis sem credibilidade.
Os signatários
Para Ler Na Íntegra, clique no título desse POST!

segunda-feira, 28 de março de 2011

Nada pra dizer...

Não tenho nada pra dizer além do que eu já disse nesse blog. Por isso tenho postado menos.


Sem contar que mantenho outro blog. Mas gosto muito desse aqui. Tem mais a minha cara.


Eu sou Cristina Dracco.


Sou formada em psicologia.


Trabalho com design e desenho.


Tenho 31 anos (e meio).


Gosto de boa música (clássica, MPB, Blues, Jazz, Rock... sou meio eclética).


Sei que tenho personalidade forte. Sou cabeça dura, teimosa, esquisita, falante e algumas vezes mal-educada e mal-humorada. Mas é assim que eu gosto. E isso me basta.


Já disse algumas coisas das quais me arrependi um pouco.


Já deixei de dizer outras que me arrependi muito mais.


Já amei demais. Já fui amada demais. Já sorri. Já chorei. Já me senti amparada e já me senti sozinha.


Já bati com a cabeça na parede. Já fiquei bêbada. Já entrei em coma alcoólico. Já achei que fosse morrer por perder uma pessoa amada. Mas nada disso me matou.


Aprendi que muitas vezes a gente precisa se retirar de cena. E ficar um tempo sem dizer nada. Sei que isso é difícil para mim, por causa da TDA-H, mas preciso aprender a controlar minhas compulsões.


Esse post é sobre nada, sobre coisa nenhuma. Mas nunca "coisa nenhuma" foi tão importante para mim.


Estou em uma fase da vida que me sinto no meio de uma encruzilhada sem saber qual rumo tomar.


Nunca na vida achei que pudessem existir tantas possibilidades pra mim. Acho que preciso aprender a me dar um pouco mais de valor.


Está mais que na hora de eu me decidir por um caminho na minha vida... e se não for o caminho mais certo... paciência... eu terei que abaixar a cabeça e voltar atrás, e recomeçar. Tantas pessoas fazem isso. Eu mesma já fiz algumas vezes.


Enfim... não a nada que façamos que esteja completamente perdido. Há sempre outra alternativa, outro caminho e sempre podemos mudar na metade do trajeto.


Então que venha o futuro!!!

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Pior Idade por Jock Dean


No século XVII o conceito de infância como conhecemos hoje, não existia no mundo ocidental. As crianças eram vistas como “adultos em miniaturas”. Quando mostravam força, eram postas para trabalhar e assumiam responsabilidades de adultos, como o casamento, logo no início da puberdade, aos 12, 13 anos. Mais que isso, antes da Idade Moderna, a infância não passava de uma loteria entre a vida e a morte, pois as crianças morriam com muita facilidade devido à situação de negligência em que viviam.

Esse conceito, bem como o de família e vida adulta evoluiu ao longo dos séculos e o entendimento que temos hoje é herança, principalmente, dos ideais Iluministas. Na pirâmide social, ao longo do desenvolvimento sócio-cultural da humanidade, os adultos conquistaram o topo, mas os idosos, vistos como experientes e sábios, portanto dignos de respeito extremado pelos mais jovens, já estiveram no melhor lugar.

Porém mais recentemente, a juventude, ou os atributos tipicamente relacionados a ela, tem ganhado mais destaque nas relações sociais e, ainda que os jovens não ocupem o lugar mais alto da estrutura social, são suas características, como virilidade, força e sagacidade, que garantem o melhor lugar ao sol e no já tão preconceituoso mundo gay isso fica muito evidente quando falamos das cacuras ("bichas velhas"). É notória a desvalorização social e sexual das pessoas mais maduras, em especial entre os homens homossexuais.

Bastam cinco minutos em um local de ‘caçação’ que, ao menor sinal de um gay que já tenha passado dos 40 e sem muito cuidado estético com a aparência, também à procura de uma transa fortuita, que logo começa a sessão de piadas perjorativas como: “vai pra casa, tia!”; “veio buscar o netinho vovó?”. Ou quando não se diz coisas ainda mais pesadas: “o que essa velha quer aqui?”; “essa cacura não tem vergonha de ficar caçando com essa idade?”.

E tem ainda aqueles jovens gays que só se aproximam do “tio” por que ele tem um carro do ano, oferta presentes interessantes, enfim, tem algo além do seu corpo e afeto para oferecer. Claro que há entre esses muitos homens que nunca tiveram coragem de assumir sua sexualidade e passam a vida procurando o seu verdadeiro prazer nos locais que lhe são possíveis. Mas há também os que são rejeitados pura e simplesmente por “serem velhos”.

Ora, parece que nos esquecemos envelhecemos todos os dias, pior, empurramos essa parcela da comunidade LGBT à solidão como se ela não tivesse direito ao sexo, ao prazer, ao orgasmo, ao afeto, à felicidade. Ou talvez até saibamos disso, mas de forma equivocada, afinal, quantas vezes já ouvi meus amigos gays falarem que precisam arrumar alguém antes dos 30 anos por que senão terão o mesmo destino “daquele velho que vive caçando no banheiro do shopping”.

Engraçado como não queremos isso para nós, mas não nos importamos nem um pouco se contribuímos para que a vida do outro assim seja. Egoísmo? Imaturidade? Um pouco de ambos, talvez. No mundo sexual masculino parece haver uma super-valorização de um comportamento sexual baseado no princípio da quantidade. Um jovem tem maior facilidade de transar mais homens em uma única tarde de sauna gay, sua virilidade juvenil lhe garante isso.

Mas e quando formos a cacura da vez? Como lidaremos com nossa falta de resistência física para aproveitarmos uma tarde inteira da nossa tenacidade sexual? Tudo bem que ao longo da vida nossas prioridades sexuais e afetivas mudem, mas não custa lembrar que o caminho que estamos trilhando hoje foi construído pela “tia velha do banheiro” e que temos muito que aprender com ela, com suas dificuldades, erros e acertos.

E o mais importante, não custa lembrar que respeito é algo do qual nunca abrimos mão, em qualquer fase da vida. Há sim os que preferem os homens mais velhos, assim como há os que se excitam com os “gordinhos”, os que tem fetiche pelos meninos "magrinhos”, ou os que só se atraiam pelo saradão da praia. Nada mais normal. O desejo sexual é um leque imenso e inexplorado de possibilidades, mas isso não nos dá o direito de esnobar o que não nos enche os olhos. Beleza, atração, charme não são coisas que perdemos com a idade, apenas passamos a expô-las com outros tons.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

O Machismo Nacional

O machismo é que manda no mundo.

Seja partindo dos próprios homens, ou de mulheres submissas que repetem como papagaios conceitos mais antigos que minha avó.

O mundo machista diz que um casal deve ser hétero. Diz que o homem deve sustentar a casa, sem ajudar nos afazeres domésticos e ter uma amante. Diz que a mulher deve servir ao marido, cuidar da casa e dos filhos e que não deve trabalhar fora, para não perder o "adestramento" que seu pai e seu marido lhe proporcionaram.

O mundo machista diz que, no caso de terem filhos, se sejam homens. No máximo um casal, mas se você não tiver o tal filho homem, todas as suas filhas juntas de nada valerão!

O mundo machista diz que, caso você tenha um casal de filhos, deve educá-los de formas diferentes, para não "aviadar" o menino e nem deixar a menina "livre demais".

Segundo o manual do machismo, vc deve educar seu filho homem para ser um predador, e se ele for virgem aos 15 anos de idade, leve-o ao puteiro. Afinal, mulher é apenas mais um pertence do homem, nada mais.

Ainda segundo o manual do machismo, você deve educar sua filha a nunca sair de casa. Ela não precisa ter curso superior, senão vai questionar demais. Afinal, ela é apenas do sexo feminino e terá um homem para sustentá-la. A filha mulher não deve sair de casa. E, é claro, deve-se casar virgem, para mostrar que é de boa índole, que é casta e que só pertenceu e pertencerá ao futuro esposo.

Para provar o que eu estou dizendo. O homem quando é ofendido não é chamado de "p.uto", e sim de "filho da p.uta", ou seja... não é culpa dele ser assim. É de sua mãe.

Até mesmo a língua portuguesa é machista.

Vagabundo é o homem que não gosta de trabalhar. Vagabunda é a p.uta.
Galinha é o homem que tá bem na fita e pega todas. Pra mulher galinha é a p.uta
Quando dizem para um homem: Vc é um cachorro. Significa que ele não presta. Que comete atos desonestos. Quando dizem para uma mulher "cadela"... ela é p.uta.
Quando dizem que um homem é um homem da vida, significa que ele é bem vivido, bem experiente, bem maduro. Quando dizem que a mulher é uma mulher da vida significa que ela é p.uta.

São muitos os exemplos.

Por isso sou contra o sexismo.

Não podemos nos conformar... temos que lutar contra todo esse universo machista ao qual somos condicionados a viver!!!

LIBERTAÇÃO DO MACHISMO AGORA!

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Lei Proibe Uso se Animais em Sacrifícios Religiosos

O vereador Laércio Trevisan fez um projeto de lei proibindo uso de animais em sacrifícios religiosos.
 
Foi aprovado em 1a. e 2a. discussão, o prefeito VETOU e o veto será analisado pela Câmara.
 
Muitos já estão pulando prá traz dizendo que acatarão o veto.
 
Precisamos de NOVE vereadores contra o veto.
 
Alguns estão com o pensamento contaminado pelos praticantes da umbanda e candomblé que dizem que é liberdade religiosa garantida pela
Constituição e NINGUÉM pode interferir.
 
Outros dizem que votaram enganados no projeto, mas todos tiveram tempo de ler e estudar ;)
 
Também alguns escutam que é racismo, perseguição religiosa...
 
SE NÃO CAUSARMOS UMA REVOLUÇÃO VIA MAIL, TELEFONEMAS, VINDO EM PESSOA NO
DIA DA APRECIAÇÃO DESSE VETO, teremos perdido o bonde do progresso.
 
Comecem ONTEM a mandar mails e insistam até no dia 06/12 - 20 horas....
 
Peço que escrevam pedindo a REJEIÇÃO do veto!!!!
 
Argumentem, mandem fatos, fotos, peçam com educação mas com firmeza, pois
geralmente protetores são vistos como bobos, fracos, mal amados...
 
Esses são os mails dos vereadores:
 
  
"André GustavoBandeira" a
href="mailto:andrebandeira@camarapiracicaba.sp.gov.br">andrebandeira@camarapiracicaba.sp.gov.br>,
"Ary deCamargoPedrosoJr" a
href="mailto:arypedroso@camarapiracicaba.sp.gov.br">arypedroso@camarapiracicaba.sp.gov.br>,
bprata@camarapiracicaba.sp.gov.br, "Carlos GomesdaSilva" a href="mailto:capitaogomes@camarapiracicaba.sp.gov.br">capitaogomes@camarapiracicaba.sp.gov.br>,carlosalberto@camarapiracicaba.sp.gov.br, "João ManoeldosSantos" a href="mailto:joaomanoel@camarapiracicaba.sp.gov.br">joaomanoel@camarapiracicaba.sp.gov.br>,paiva@camarapiracicaba.sp.gov.br,
"José AparecidoLongatto" a
href="mailto:longatto@camarapiracicaba.sp.gov.br">longatto@camarapiracicaba.sp.gov.br>,
"José BeneditoLopes" a
href="mailto:joselopes@camarapiracicaba.sp.gov.br">joselopes@camarapiracicaba.sp.gov.br>,
"José LuizRibeiro" a
href="mailto:joseluiz@camarapiracicaba.sp.gov.br">joseluiz@camarapiracicaba.sp.gov.br>,
"Jose Pedro" a
href="mailto:josepedro@camarapiracicaba.sp.gov.br">josepedro@camarapiracicaba.sp.gov.br>,
trevisanjr@camarapiracicaba.sp.gov.br,
"Márcia C.C.G.DiasPacheco" a
href="mailto:marciapacheco@camarapiracicaba.sp.gov.br">marciapacheco@camarapiracicaba.sp.gov.br>,
marcosoliveira@camarapiracicaba.sp.gov.br,
"Paulo HenriqueP.Ribeiro" a
href="mailto:paulohenrique@camarapiracicaba.sp.gov.br">paulohenrique@camarapiracicaba.sp.gov.br>,
"Walter FerreiradaSilva" walterferreira@camarapiracicaba.sp.gov.br
 
TAMBÉM PEÇO AOS QUE SÃO DE OUTRAS CIDADES E ESTADOS QUE ASSISTAM A VOTAÇÃO POLÊMICA DESSE VETO NO DIA 06/12 A PARTIR DAS 19:30 HORAS NA NET.
 
SITE:
 
www.camarapiracicaba.sp.gov.br
 
Entrar no botão TV CAMARA e clicar, esperar carregar em buffer e assistir.
 
Conto MUITOOOOOOO com vcs todos.
 
Obrigada.

DIVULGUEM - REPASSEM!!!!          

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Para William @delucca

William, comentando seu blog (para quem não leu: http://deluccamartinez.blogspot.com/2010/11/um-manifesto-contra-lei-da-homofobia-e.html)


Pensei em ser breve, mas melhor não. Li seu perfil ao lado e, antes de comentar, irei também me apresentar. Nada mais justo.


Sou Cristina Dracco. Psicóloga e psicanalista (por formação), música e escritora (por persistência) e Desenhista e ilustradora (por profissão).


Tenho 31 anos, paulistana. São Paulina fanática. Homossexual e "tuiteira". Quase fui entomologista. Amo insetos. Por não acreditar em deus, acho que eles fazem parte da natureza, e são belos e úteis. E quanto aos aracnídeos... bem... eu sou suspeita... adoro aranha... rsrs


Agora que estamos quites, comentarei seu maravilhoso texto-protesto.


Sou branca. Neta de Alemães. Olhos azuis. Mas sou mulher, homossexual e atéia.


Minha ex-namorada, coitada... é mulher, atéia, homossexual negra, gorda e nordestina! Pelas estatísticas ela já superou a expectativa de vida (32 anos) e vivendo no Brasil!


Você já leu Silvio Romero? Para quem não conhece, irei "passar por cima". Segundo esse pseudo-intelectual, os negros não eram humanos. Eram uma "Sub-espécie" e nunca seriam tão inteligentes quanto os brancos. Na época as pessoas acreditavam nisso. Negros não podiam entrar na missa. Não eram suficientemente humanos para isso. Quando um branco tinha um filho com uma negra, Sílvio Romero descrevia que, pior que ser negro era ser mestiço, pois era a "degeneração da espécie". Pardos. A palavra "pardo" significa "sujo". Assim os filhos de brancos com negras eram chamados.


E escravizados.


Provava-se "cientificamente" que o negro não era tão capaz quanto um branco, e caso um negro achasse que tinha algum direito, alguém logo dizia: Andar com negros te torna tão sujos e indignos quanto eles.


O tempo passou.


Muita gente foi contra os Abolicionistas. Usaram até a bíblia para defender a escravidão nesse país.


Demorou, mas a lógica gritou mais forte! E os negros foram libertados. Sem emprego. Na miséria. Viveram como puderam. Sobreviveram. E até hoje, mais de cem anos depois, ainda sofrem o preconceito e são tratados como no tempo de Silvio Romero. 


Qual a lógica de alguém se achar melhor que outro alguém somente baseado na cor da pele?
Hoje em dia defender o direito dos negros não é tão absurdo quanto era há 50 anos atrás. Negro é lindo! Que bom que perceberam, não é?


Hoje em dia, somos nós, homossexuais. A "degeneração da espécie". Ouvimos tudo o que os negros já ouviram. Estamos passando hoje pelo que muitos negros passaram. E temos muito protesto pra fazer para conseguirmos ser tratados como cidadãos comuns, e não sub-espécie, sub-humano com sub-direitos (quero pagar metade dos impostos, posso?).


Um dia, as pessoas olharão para esse século e se perguntarão: Como puderam ser tão cruéis com seres humanos somente pela orientação sexual deles?


Espero que esses dias sanguentos esteja perto de acabar.


O ódio nunca venceu o amor no final. Adoro cinema, e sei disso... Infelizmente, enquanto essa "tolerância" com os diferentes não ocorre, pessoas estão morrendo... Queria não ter essa pressa toda. Queria que ninguém mais tivesse que morrer por ser quem é.


... mas é só um sonho...


Enquanto isso, não vou me esconder. Não vou me calar. E se a morte tiver que vir, estarei aqui de peito aberto, pois sei que toda guerra tem baixas. Mas sei que no final valerá a pena! Desistir nunca, me esconder jamais. Antes de eu ser homossexual, antes de eu ser mulher, antes de eu ser atéia eu sou um ser humano e mereço ser respeitada!

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Mayara Petruso

Faz tempo que não escrevo. Aliás, faz tempo que não entro no meu blog. Mas essa madrugada, enquanto "brincava" no Twitter li algo que não é nem de longe uma brincadeira.

Uma usuária chamada Mayara Patruso afirmava em seu Twitter e em seu Facebook que nordestinos não deveriam ter o direito de voto. Ela chegou ao cúmulo de afirmar que para se fazer um bem à São Paulo, deveríamos "afogar um nordestino".

Comentários como esse, de um ser humano se referindo à outro ser humano com esse ar de superioridade e ainda sugerir assassinato. Isso me fez parar para pensar...

O que nossos jovens estão pensando?
A culpa é de quem?

Culpa de Mayara Petruso sozinha? É claro que não. Existem muitas "Mayaras Petrusos" pelo Brasil e pelo mundo. O que ela disse, com certeza, foi o que muitos Sulistas pensam. Ela só deu voz à um pensamento ainda muito coletivo de que o Nordeste não passa de seca e pessoas que vivem do turismo.

Isso é uma falta de cultura da classe média baixa, não-viajada e que não conhece a realidade brasileira.

Dentre os maiores pensadores e artistas do Brasil, uma grande maioria é nordestina.

Um povo honesto, trabalhador e com um talento único!

O brasileiro está precisando viajar pelo Brasil e conhecer o próprio país!

Sou paulistana da Gema! Neta de imigrantes que, na adolescência aportaram na cidade de São Paulo e jamais saíram. Filha de paulistas.

Crucificar somente uma das muitas "Mayaras Petrusos" é como tapar o sol com a peneira. Mas ajuda! Vale para toda uma sociedade pseudo-intelectual que acha que sotaques diferentes definem Quociente Intelectual.

O motivo pelo qual Mayara Petruso acusou os nordestinos de serem "burros" tem um embasamento errôneo.
Os nordestinos são muito mais inteligentes e possuem muito mais memória que o restante da população.

O Estado de São Paulo há 16 anos elege o PSDB. A saúde é um caos. A educação vai de mal a pior. As melhores opções são escolas FEDERAIS, ou seja, do Governo Federal do PT!

Se comparar o Brasil de FHC com o Brasil dos últimos 8 anos, não temos como negar: Taxa de desemprego? Diminuiu. Crises Financeiras? Nem a Mundial! Privatizações? Serra não é mais Ministro do Planejamento. Economia Elétrica? Hoje temos planejamento e investimos em hidrelétricas.

Os números não mentem.

Se fossem os nordestinos falando mal dos paulistas por insistirem no erro PSDB, seria xenofobia, mas teria um certo grau de coerência (quem querer generalizar). Mas um paulista (e eu sou paulista) como os muitos "Mayaras Petrusos" por aí, usar esse tipo de argumento para justificar um preconceito, é simplesmente assinar um atestado de burrice. Com o perdão do termo, mas é!

Preconceitos não se justificam!

E o que mais me dói é saber que essa menina só postou o que muita gente por aqui só tinha coragem de pensar...

Até quando as pessoas alimentarão preconceitos?

... brasileiros ofendendo brasileiros.... só por serem de regiões e/ou estados diferentes...

Desculpe, mas não vejo lógica... por mais que eu tente justificar, não consigo...

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Só de Sacanagem!

Meu coração está aos pulos!
Quantas vezes minha esperança será posta à prova?
Por quantas provas terá ela que passar?
Tudo isso que está aí no ar, malas, cuecas que voam entupidas de dinheiro, 
do meu dinheiro, que reservo duramente para educar os meninos mais pobres 
que eu, para cuidar gratuitamente da saúde deles e dos seus pais, esse dinheiro 
viaja na bagagem da impunidade e eu não posso mais.

Quantas vezes, meu amigo, meu rapaz, minha confiança vai ser posta à prova? 
Quantas vezes minha esperança vai esperar no cais?
É certo que tempos difíceis existem para aperfeiçoar o aprendiz, mas não é certo 
que a mentira dos maus brasileiros venha quebrar no nosso nariz.

Meu coração está no escuro, a luz é simples, regada ao conselho simples de meu 
pai, minha mãe, minha avó e dos justos que os precederam: “Não roubarás”, 
“Devolva o lápis do coleguinha”, Esse apontador não é seu, minha filhinha”.

Ao invés disso, tanta coisa nojenta e torpe tenho tido que escutar.
Até habeas corpus preventivo, coisa da qual nunca tinha ouvido falar e sobre a 
qual minha pobre lógica ainda insiste: 
esse é o tipo de benefício que só ao culpado interessará.

Pois bem, se mexeram comigo, com a velha e fiel fé do meu povo sofrido, 
então agora eu vou sacanear: 
mais honesta ainda vou ficar. 
Só de sacanagem!

Dirão: “Deixa de ser boba, desde Cabral que aqui todo o mundo rouba” 
e eu vou dizer:
Não importa, será esse o meu carnaval, vou confiar mais e outra vez. 
Eu, meu irmão, meu filho e meus amigos, 
vamos pagar limpo a quem a gente deve 
e receber limpo do nosso freguês.

Com o tempo a gente consegue ser livre, ético e o escambau.
Dirão: “É inútil, todo o mundo aqui é corrupto, 
desde o primeiro homem que veio de Portugal”.

Eu direi: Não admito, minha esperança é imortal. 
Eu repito, ouviram? IMORTAL!

Sei que não dá para mudar o começo 
mas, se a gente quiser,
vai dar para mudar o final!

(Elisa Lucinda)

domingo, 25 de julho de 2010

Argentina 1 x 0 Brasil

Segundo a constituição brasileira, todos somos iguais perante a lei.

Mentira!

Uma mulher que ocupa o mesmo cargo que um homem recebe cerca de 27,7% a menos de salário.

Os negros são discriminados para ocupação de cargos mais altos nas empresas.

Os heterossexuais podem ir ao cartório e registrar um casamento civil.

Até quando pessoas serão discriminadas por serem quem são?

Onde está o direito de cada um de ter sua própria opinião? Você acha mesmo que tem o direito a ser você mesmo? Ou coloca uma máscara e sobrevive de aparências?

A Argentina deu um pequeno passo para a Democracia. Mas é assim que se caminha para frente: Um passo de cada vez.

O Brasil segue em sentido oposto: Há um projeto de lei para impedir casais homossexuais de adotarem crianças.

Até quando essas leis, que só servem para discriminar, serão levadas à sério?

Nós somos eleitores! Nós não só votamos, como pagamos impostos! Somos seres humanos comuns tratados como marginais. Querem nos empurrar para guetos, nos oprimir e tirar nossos direitos somente porque nossa forma de amar é diferente.

Será que não existe forma de nós, homossexuais (e GLBTs em geral), nos unirmos e respondermos na URNA toda essa discriminação?

Procure saber se seu candidato é a favor ou contra a lei que proíbem homoafetivos de adotarem crianças: http://www.direitonet.com.br/blog/exibir/95/Projeto-de-Lei-proibe-a-adocao-por-casal-homoafetivo

Procure saber se seu candidato é favorável ou contra o Casamento Gay:
http://outros.centralblogs.com.br/post.php?href=jose+serra+fala+sobre+casamento+gay+em+encontro+com+evangelicos&KEYWORD=12444&POST=3716473

http://mixbrasil.uol.com.br/pride/politica/marina-silva-acha-que-opiniao-sobre-casamento-gay-nao-vai-atrapalhar-eleicao.html

Nós não somos maioria, mas fazemos a GRANDE DIFERENÇA!

Vamos lutar pelo que acreditamos!!!

Um a Zero para a Argentina na luta por direitos iguais entre héteros e homossexuais.

E no Brasil, hein?!?!?!? E SOMOS MUITOS!

Crinstina Dracco - Ilustradora, Homossexual e apaixonada por escrever!

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Hoje é Segunda-feira!

As vezes acho que nasci para ver o sucesso dos outros enquanto fracasso. Já, em outras (raras) vezes, a sorte bate à minha porta.

Nesses últimos 3 anos a sorte realmente bateu algumas vezes à minha porta, e quanto atendi, ela riu da minha cara e saiu correndo.

Cansei de depender dela.

Já que não posso contar com a sorte, tentarei contar comigo mesma.

Perdi dois anos da minha vida sofrendo por um amor que me iludiu. Que disse que me amava, que pediu para que eu alugasse um AP para morarmos juntas. Me pediu para que eu nunca a deixasse, e no fim, ela me deixou. E no pior momento da minha vida...

Mas hoje é segunda e decidi voltar a viver.

Se vou sofrer novamente eu não sei. Se o emprego que almejo eu vou conseguir ou se simplesmente eu vou ter mais confiança em mim mesma... mistérios...

Afinal, que graça teria a vida se soubéssemos o final?

Saber o que vai nos acontecer a cada momento estraga as surpresas, como um filme de suspense que alguém nos conta o final.

Hoje é segunda-feira. O primeiro dia do resto da minha vida...

... e só quero voltar a viver!